Dysfemismo

Monday, June 15, 2009

A Ordem Apocalíptica

O apocalipse, propriamente, não veio. Passamos tanto tempo professando-o, não sei. Talvez este tenha sido o problema. Os apocalipses primordiais foram escandalosos, repentinos, inevitáveis. Era como se todos os fatores conspirassem para que houvesse alguma revolução drástica. Nós, homens, éramos também fatores. Mas dessa vez, não como antes. Nosso fogo tornou-se uma compressa de água fria.

Foi como se a infinidade de anúncios da revolução tivesse minado a seriedade da possibilidade de qualquer uma; como se, na hora em que tudo tivesse de ter mudado por uma concatenação inevitável de fatores, esse fatores não estivessem lá, porque estavam presos no trânsito. E assim, o inevitável, a sublevação da ordem que havia, ao invés de ocorrer por meio de algo súbito num curto e perturbado espaço de tempo, acabou por ocorrer diante de nossos olhos, diluída, disfarçada, sob a própria carapaça.

Como se a presença deste inevitável tivesse se tornado tão próxima a nós, tão familiar, que tenha passado a fazer parte da própria ordem que havia. E que há: mas que, no entanto, não seria propriamente uma ordem, mas o próprio apocalipse que engendrou em seu seio e que a destituiu de seu status de ordem.

12 Comments:

  • Querido Rodrigo- também acho que estamos no seio do apocalipse porque às vezes me sinto na voragem do caos. Que bom que você está por perto, embora não responda nem a convite para almoço ou jantar. Mas eu sinto você por perto e, embora seja maluquice, isso é que importa. Naaaão! Importa que você me apareça em carne e osso.Abraço da Zuleica.

    By Blogger zuleica-poesia, At 6:39 AM  

  • acabei de ter uma visão apocalíptica. acabei de perceber que o meu quarto, que eu estou tão acostumado, é o meu fim!
    assim você acaba comigo...

    saudades!

    By Blogger Gui Ferrari, At 6:22 PM  

  • Embed apokalypsis ... gostei da idéia.

    By Blogger Flavio Ferrari, At 8:41 AM  

  • E tu fala da sociedade atual, suponho? Barbaridades nos jornais, na política, no consumo escancarado de crack e outras cositas más, do sexo desenfreado, da falta de cultura, de... Mil etc's. E tudo parece banal, e ninguém mais se mexe, porque o homem "lobo do próprio homem" está muito ocupado engendrando os próprios capítulos sob o título de corrupção. Apropriadamente vão..
    Um cafezinho, bom tema.

    By Blogger Carla P.S., At 9:21 AM  

  • Vim conhecer-te através da indicação do blog do Flávio (arguta).

    Li várias postagens. Polêmico e bom demais.

    Abç
    Rossana

    E.T.: O Apocalipse é aqui e toda hora.

    By Blogger Batom e poesias, At 2:38 PM  

  • Eu diria " no miolo" !Com toda a certeza!

    bjs

    By Blogger Suzana, At 3:49 PM  

  • Carla P.S, seu comentário me preocupa.

    Se um dia te interessar saber porque (é grande demais pra escrever aqui), aqui estão as linahs gerais:

    1. jornalistas são bárbaros, jornais publicam barbaridades. isto é meu café da manhã, não meu apocalipse. Eu castraria e queimaria todos, respectivamente.

    2. Não existe mais política, existe só economia. Ninguém governa, o governo é que é governado por poderes que não estão na mão de ninguém. Isso já é mais ou menos claro depois de cruzar referência de Marx e Foucalt.

    3. Sexo desenfreado? Me conta aonde você tem ido, aqui em volta só tem evangélico e eu nao transo há tempo demais. Enfim, não entendo porque seria um problema. Deus já deixou claro que quando passar do limite ele queima.

    4. Falta de cultura: isso me causa dor. Cultura não é inteligencia, não é conhecimento. Alguém sem cultura teria de ter nascido isolado da humanidade. Cultura é costume, no sentido mais geral da coisa. Não pode faltar se voce vive em sociedade, ela é toda a parte da sociedade que não são nossos genes e nosso território geográfico.

    Voce pode reclamar que as pessoas são burras, são ignorantes, etc.
    Mas ainda assim, sempre foram. E já tivemos tempos melhores. Não é esse o ponto.

    5. Agora você se aproxima da questão. O que nos torna homens não é a inteligencia ou o poder ou nada disso. O que nos torna homens para nós mesmos é o que chamamos de Ética (por definição, nao é uma opinião. Dá-se o nome de ética à relação do homem consigo mesmo) e é disso que falo.

    A nossa Ética sucumbe à manchetes de jornais do pior tipo:
    aquela que alguem financia, um médico conduz e encontra probabilidades em termos científicos, e um jornalista transforma numa manchete imbecil - que, por sua vez, ecoa aos milhoes contaminando os pensamentos até dos mais inteligentes.

    É esse o apocalipse, é a ética que desapareceu, é nossa relação intima com nossa vida (o que devemos fazer, porque devemos fazê-lo) que foi globalizada e engolfada pelo anonimato burocrático de uma simbiose capitalista entre médicos, jornalistas e políticos.

    Quando voce quer que te curem de alguma doença, você vai a um médico. Mas quando a questão é o que fazer da sua própria vida, o que ser, o que fazer, você só pode tratar com imperativos.

    E por tal razão eu considero decidir fumar maconha em homenagem a Djá (rastafaris?), orar a deus para ir pro céu, 'faze o que quiserdes' (crowley) ou qualquer outra estupidez ética à ouvir o que um médico tem a dizer a respeito do que voce deve fazer com sua vida.

    Porque medicina é uma ciencia indutiva, uma ciencia de probabilidade. e, uma ciência: não um corpo ético.

    Neste sentido, o médico é o mais corrupto de todos porque realmente subverte a responsabilidade de seus atos, delegando-a a meras probabilidades!

    E assim que essa subversão vai parar num meio de comunicação, o dano está feito. A humanidade morre mais um pouquinho.

    O apocalipse são os meios de comunicação, a globalização de uma ciencia probabilística que vai progressivamente substituindo nossa relação pessoal com nós mesmos, e nossa responsabilidade por isto.

    Me dá nojo.

    By Anonymous Anonymous, At 2:55 PM  

  • Nós podemos usar as mesmas ideias, porém mudando o sentido delas.
    Concordo que o pior de tudo é a falta de ética, e com 90% do que disseste, exceto a parte que não foi o que eu quis dizer..
    Tu usaste o termo cultura empregado na antropologia, não na linguagem falada. Seria a mesma aberração que dizer que "fulano não tem personalidade" na psiquiatria, visto que todos temos.
    Nem todo jornalista é pretencioso, nem todo médico é charlatão-baseado-em-evidências mas, com certeza, a ética tá escassa!.

    By Blogger Carla P.S., At 9:08 AM  

  • Quanto ao sexo..Não sou fanática religiosa pois acho isso brochante, e a libido é o começo de tudo. Mas até chocolate em excesso não é bem aproveitado.

    By Blogger Carla P.S., At 9:09 AM  

  • Nem todos os jornalistas merecem a morte mesmo. Mas os que não merecem não farão falta alguma...

    By Anonymous Anonymous, At 10:24 AM  

  • se mudamos o sentido de uma idéia no meio de um discurso nada mais faz sentido, é inclusive uma falácia clássica chamada de 'anfibologia'.

    Mas conceitos como o de 'falta de personalidade' e 'falta de cultura' no 'sentido falado' não são propriamente conceitos, ou, se o são, são conceitos absolutamente obscuros: um conceito é o que permite ao entendimento unir diversos objetos, e ele é claro quando não há dúvida quanto a qual objeto cai sob ele e qual não cai.

    É ótimo e perfeitamente compreensível que pessoas gostem de ficar falando simplesmente por falar, porque somos animais sociais.

    E é mais normal ainda que essas conversas desprovidas de sentido além do próprio exercício da conversa (interação social) tratem de assuntos graves. E assim é super saudável ter termos voláteis e obscuros, ficamos interagindo inutilmente por horas e cumprindo nossa natureza sociável.

    No entanto, para distinguir, julgar (formular juízos, unir um sujeito a um predicado), declarar coisas não só por declará-las, mas defendendo um ponto, requer conceitos mais claros.

    E é por isso que eu prefiro a eles e não resisto quando alguém aparece no meu blog com um desses conceitos obscuros como se eu estivesse falando só pra brincar de falar.

    By Anonymous Anonymous, At 10:44 AM  

  • Desculpa se não levei suficientemente a sério teu blog, enquanto tu criava tão séria teoria. Mas sobre a falar o que eu quero e ser sarcástica, é, ainda tenho um pouco disso! Mas nem comento mais, eu já fujo dessa pandemia de "conceitos" que tanto nos rodeia, fortemente alicerçada com a hipocrisia e o orgulho...

    By Blogger Carla P.S., At 3:30 PM  

Post a Comment

Subscribe to Post Comments [Atom]



<< Home